quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Curso Mestre de Obras no SEST SENAT Samambaia Sul-DF


domingo, 12 de agosto de 2012

Clube da Reforma.flv

Engenharia Ambiental e Sanitária 

Empresa americana desenvolve placa solar com o formato de uma telha de barro

Converter a luz do sol em eletricidade não significa necessariamente fazer uma cobertura no telhado com painéis solares sem graça. A empresa SRS Energy, da Filadélfia, desenvolveu uma placa, a Solé, que faz esse trabalho sem comprometer a estética: tem o formato de uma telha de barro, na cor azul escuro. O produto foi es
pecificamente produzido para ser compatível com as telhas de cerâmica fabricadas pela empresa parceira E.U.Tile - assim, será dada aos seus clientes a opção de cobrir uma seção de seu telhado com a nova versão, mais fashion, das placas fotovoltaicas.

As telhas já estão disponíveis no mercado americano, mas ainda não chegaram ao Brasil. A SRS Energy diz que as telhas Solé, feitas de um polímero de alta performance usado frequentemente nos para-choques de automóveis, são leves, inquebráveis e recicláveis.

Em solo brasileiro, por outro lado, está sendo instalada, no Estado de Pernambuco, a primeira fábrica de painéis para geração de energia das Américas - a Eco Solar do Brasil. A fábrica terá capacidade anual de produzir 850 mil painéis fotovoltaicos, responsáveis pela captação e armazenagem da energia solar. A grande fornecedora de tecnologia para a Eco Solar é a suíça Oerlikon Solar, com mais de 100 anos de atuação.

O presidente da Eco Solar, Emerson Kapaz, explica que uma placa tem capacidade para armazenar até 150 watts. Um diferencial da tecnologia adotada pela empresa, chamada de "filme fino", é que as placas são feitas de material 100% limpo, mais eficiente e mais barato, garante ele:

- Essa é uma tecnologia que tem um custo acessível. No início, iremos trabalhar com 80% da produção para o mercado brasileiro e apenas 20% para exportação.

O preço da placa fotovoltaica, com capacidade de armazenar até 150 watts, deve ficar em cerca de R$ 320. Para uma casa com quatro pessoas, por exemplo, seriam necessárias seis placas (R$ 1.920) e a economia de energia seria de aproximadamente 30%. Hoje, o custo de uma placa com potência de 135 watts gira em torno de R$ 1,5 mil.

Fonte: O globo





https://www.facebook.com/topambiental

SEGURANÇA NO TRABALHO


Segurança do trabalho é um conjunto de medidas que através de metodologia e técnicas apropriadas que são adotadas, visam minimizar os acidentes de trabalho, objetivando a prevenção de suas ocorrências, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do trabalhador.
Estudo do ambiente, das condições e riscos originados no ambiente de trabalho, muitas vezes, demonstram que pode se encontrar situações que agridem a integridade física e mental das pessoas. 
Condições de trabalho:
Define-se como condição de trabalho, a estrutura necessária para que seja possível desenvolver atividades laborais pelas pessoas. 
Riscos originados.


Os riscos estão classificados em: 


Físicos, Químicos, Biológicos, Ergonômicos e Acidentes:

Medidas de controle de riscos ambientais.

Após a avaliação e reconhecimento dos riscos ambientais, presente nos locais de trabalho, é dever de todos buscar medidas que possam eliminar ou minimizar as causas e efeitos destes riscos.
A Constituição Federal determina que o trabalhador tenha direito a proteção de sua saúde, integridade física e moral e segurança na execução de suas atividades. O trabalho deve ser executado em condições que contribuam para a melhoria da qualidade de vida e a realização pessoal e social.
A segurança e a saúde do trabalhador são de responsabilidade do empregador e dos profissionais envolvidos no ambiente de trabalho.


Riscos Físicos
Consideram-se agentes de risco físico as diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como:
ruído, calor, frio, pressão, umidade, radiações ionizantes e nao-ionizantes, vibração e etc.


Riscos Químicos
Consideram-se agentes de risco químico os compostos, as substancias ou produtos que possam penetrar no organismo do trabalhador pelas vias respiratórias, pele ou ingestão nas formas de poeiras, fumos, gases, neblinas, nevoas ou vapores.


Riscos Biológicos
Consideram-se como agentes de risco biológico as bactérias, vírus, fungos, parasitos, entre outros.


Riscos Ergonômicos
Qualquer fator que possa interferir nas características físicas e mentais do trabalhador, causando desconforto ou afetando sua saúde. São exemplos de risco ergonômico: levantamento de peso, ritmo excessivo de trabalho, monotonia, repetitividade, postura inadequada de trabalho, etc.


Riscos de Acidentes
Qualquer fator que coloque o trabalhador em situação de risco e possa afetar sua integridade e seu bem-estar físico e mental. São exemplos de risco de acidente: as maquinas e equipamentos sem proteção, possibilidade de incêndio e explosão, falta de organização no ambiente, armazenamento inadequado, etc.
Campanhas como a da Prevenção à Vida, realizada pela CNI, iniciada em 26/02/97, em Brasília, abrangeu todos os 27 estados brasileiros e foi encerrada em 07/05/97, na cidade do Rio de Janeiro (PREVENSUL - Zero Hora - 30/01/97, p.60), visam a diminuir os acidentes de trabalho. Essa, em especial, com o objetivo de controlar e garantir o atendimento das exigências mínimas de saúde e segurança procurou conscientizar empregadores e empregados para as questões relacionadas aos acidentes no trabalho, buscando a integração com profissionais da área da segurança do trabalho.
Esse tipo de notícia, veiculada na mídia nacional e internacional, retrata um preocupante cotidiano pleno de constantes ocorrências de acidentes de trabalho e de muitas situações de risco à vida de trabalhadores. 
Segundo a opinião do vice-presidente de Relações Capital- Trabalho do Sinduscon/SP [...]
É preciso que todos os aspectos sejam convenientemente apreciados a fim de poderem, efetivamente, contribuir para a prevenção dos acidentes de trabalho. 


Diante de tais constatações, torna-se relevante a identificação e análise dos vários aspectos que envolvem o acidente de trabalho (AQUINO, 1996).
Assim sendo, toma-se como base os conhecimentos produzidos pelas diferentes categorias profissionais que estudam ou vivenciam as causas dos acidentes de trabalho na construção civil. 
Nesse sentido, pretende-se contribuir para a melhoria da segurança no trabalho, defendendo-se a tese, segundo a qual a integração das visões de diferentes atores sociais pode ajudar no delineamento de uma estratégia de prevenção dos acidentes de trabalho, levando em consideração os vários aspectos envolvidos, tanto aqueles ligados ao processo e à organização, como os ligados às relações sociais de trabalho, dois pontos centrais desta tese, identificados na abordagem sociotécnica da administração.
A evolução da humanidade no sentido de simplificar o trabalho, melhorar a produção, aumentar a produtividade, para proporcionar a satisfação das pessoas gerou o crescimento e desenvolvimento industrial com maior aproveitamento da tecnologia (foco no processo e na organização do trabalho), mas com um aumento do desgaste físico e mental (desatenção às questões voltadas às relações de/no trabalho, educação e informação), culminando com um aumento dos índices de acidentes de trabalho, mas as diferentes áreas do conhecimento podem interrelacionar-se visando ao melhor entendimento dos acidentes de trabalho, bem como à construção de uma estratégia de prevenção destes.

 
 ENGENHEIRO ANTONIO SERGIO
omar.kant_@hotmail.com

domingo, 18 de abril de 2010

BlogBlogs.Com.Br

segunda-feira, 1 de junho de 2009

LAJE

Sem dúvida nenhuma a laje é uma das partes principais de uma obra.

É nela que construimos nossos sonhos, por isso requer uma atenção especial, o tipo de laje é definido de acordo com a finalidade, por exemplo, laje de piso é muito diferente de laje de forro, laje para garagem tem que ser maciça, esses fundamentos são importantes, o mais importante mesmo é que independente do tipo da laje o acompanhamento de um engenheiro é fundamental.


A laje pré-moldada é a mais usada na construção de casas, pois é mais barata e de fácil montagem, proporcionando mais rapidez à obra. Lajes pré-moldadas existem tanto para piso, como para forro, composta de trilhos e de complementos que podem ser de blocos de lajotas ou de blocos de isopor, a laje pré-moldada facilita e muito a construção de uma casa. Podendo ser encontrada com trilho tipo convencional ou treliçado, ambos podem ser usados tanto para piso como para forro, mas um detalhe muito importante tem que ser considerado, a laje convencional oferece menos garantias que a laje treliçada, pois o trilho da laje treliçada tem mais condições de fazer um reforço antes da concretagem, reforço este que é uma malha de ferro geralmente de 5.0 colocados em cima da laje.

O complemento feito em blocos de lajotas são mais resistentes e mais fáceis de manusear, deixando a laje mais firme, ou seja, na montagem o trabalho se torna mais fácil, pois possibilita caminhar com tranquilidade sobre a laje antes de concretar, em contra partida deixa a laje mais pesada, porque o bloco é feito de barro assado, mesmo material que é feito os tijolos, ficando o peso de cada bloco em torno de quatro quilos, por causa disso se deve reforçar a estrutura da obra, aumentando nas ferragens e concreto.

O bom da laje feita com bloco de lajota é que pode ser devidamente rebocada, propaga menos acústica e mantém a temperatura agradável, sem falar que fica mais fácil a colocação de eletrodutos, cano de água e esgoto e caixas de teto.

A laje pode ser encontrada nos tamanhos T06, T08, e T10, a laje com bloco T06 é de forro, quando não se vai fazer nenhum pavimento superior e só terá telhado em cima da laje, pois a laje de forro não aguenta sobrecarga de peso e humidade.

A laje em bloco T08 é usada para piso que tenha pequeno tráfego, por exemplo, pavimento superior de uma residência aonde vai quartos . Mais pesada que a laje de forro, é bom ter um pouco de atenção quanto o distanciamento na hora de fazer a malha de ferro , colocando a ferragem mais próxima uma das outra, o bom desse tipo é que é mais leve, o que não sobrecarrega a estrutura da obra gerando economia em relação à ferragem.

O bloco T10 é mais usado na confecção de lajes de piso, pois proporciona mais tranquilidade, por ser bem mais resistente que o bloco T08, pode ser usado em qualquer tipo de laje de piso,, até em piso de garagem suspensa, claro que nesse caso se deve aumentar a bitola das ferragens e a altura do concreto em cima da laje, que geralmente é de 5 centímetros em cima do bloco.

O bloco T10 por ser mais pesado a estrutura da obra tem quer ser compatível.

É bom ressaltar que a obra que vai receber uma laje, independente de ser de forro ou de piso, deve ser acompanhada por um engenheiro e deve ter estrutura para suportar o peso da laje, ou seja, ter fundações apropriadas.

O complemento de isopor está sendo muito bem aceito no mercado da construção civil, por que possibilita uma maior economia tanto nas fundações quanto nas ferragens também no acabamento, por ser muito leve. Esse tipo de complemento só pode ser usado com trilho treliçado e se deve ter uma atenção quanto a ferragem usada na malha em cima da laje, encurtando o espaço entre as peças.

Os blocos de isopor vêm todos no tamanho de 01 metro de comprimento e com 10 centímentros de altura, sua montagem é muito rápida em relação aos blocos de lajota, contudo caminhar em cima da laje antes da concretagem se torna mais delicado, tendo que usar uma tábua de 30 centímetros para caminhar e fazer o trabalho. Escolha blocos de qualidade, pois no mercado existem muitas marcas e com blocos de pouca resistência, faça teste de resistência na hora da compra, pegando um bloco tente quebrá-lo se quebrar com facilidade o melhor é descarta-lo, pois não suportará o peso do concreto. Na concretagem muito cuidado com a altura do concreto, isso é muito importante porque se o concreto ficar com altura inferior a 04 centímetros pode comprometer a resistência da laje, o ideal é que a altura do concreto fique entorno de 06 centímetros.

O acabamento feito na laje com bloco de isopor é feito com gesso-cola , bem mais barato em relação ao reboco convencional, economizando assim tanto no material quanto na mão-de-obra.
Existem algumas pessoas que insistem em rebocar a laje com bloco de isopor com reboco normal adicionando algum produto elastificante, mas com o passar do tempo esse tipo de reboco pode cair provocando acidentes sérios. Nos banheiros tem que impermeabilizar bem o piso antes de colocar a cerâmica ou qualquer que seja a acabamento para não comprometer o gesso e danificar a pintura.

Escolhendo o tipo de laje é só esperar a acabamento e usufruir, claro que para uma laje ficar de maneira a não dar problemas (fissuras, infiltrações, desnível, mofo e etc...), é preciso acima de tudo um bom profissional e claro escolher um concreto de qualidade.

O concreto feito artesanalmente não é muito recomendado porque não fica bem misturado, perdendo assim sua força e aderência, por isso de preferência ao concreto usinado, desses feitos por concreteiras, escolha uma de nome e busque referencias, procure se informar que tipo de concreto se adapta melhor a sua obra, porque existem vários tipos de concretos com finalidade distintas e sempre é bom lembrar que se deve molhar bem a laje minutos da concretagem para o concreto aderir bem, e depois de concretar molhar dois dias seguintes especialmente de manhã, por volta do meio dia e na parte da tarde, para o concreto não apresentar fissuras, e se a laje for de forro não demore a fazer o telhado, pois as intempéries do clima podem comprometer todo o trabalho.

A laje maciça sem dúvidas é a mais cara da obra, pois é feita somente de concreto e ferragem, mas em compensação é mais resistente do que qualquer outro tipo de laje. Torna-se cara porque não se usa trilho só armações de ferro e é preciso ter uma ótima fundação, porque é muito pesada, geralmente uma laje de piso maciça fica com 10 a 12 centímetros de altura, o que consome muito concreto, mão-de-obra e ferragem, por essa razão hoje se usa mais em garagens suspensas, subsolos e pavimento térreo. Esse tipo de laje merece mais atenção que as demais por isso o acompanhamento de um engenheiro se torna absolutamente indispensável. São muitas as vantagens que uma laje maciça proporciona à obra, as principais são, resistência e firmeza, fica mais fácil também, colocar tubulações de água e esgoto e eletrodutos. Trabalhar em cima é muito mais fácil por que ela é armada sobre um estrado de madeirite, e a concretagem pode ser feita com vigamento tornando assim a obra muito mais resistente, é bom lembrar que antes de começar a fazer a ferragem, o ideal é aplicar duas de mãos de algum impermeabilizante no madeirite para facilitar na hora de desenformar. Se o trabalho ficar bom nem é preciso rebocar, o concreto pode ficar aparente e receber pintura direta, o que nesse caso economizaria tanto mão-de-obra quanto material, por está razão ter um profissional competente na obra é fundamental.



Texto por: Edson da Silva.
 
BlogBlogs.Com.Br